quinta-feira, 21 de março de 2013

Férias

As férias têm de ser «contadas». 
A  parte mais quente, ou melhor, esta cena deliciosa, veio depois daquele jantar com a Lilly e o Paulo
O Paulolembram-se  éo amigo nosso que tem o atelier nas  Torres do Imaviz.
Adorávamos as férias em conjunto, não só pelas loucas noites  de dança e conversa com amigos, como e o melhor pelas nossas intimidades, tanto minhas com a Lilly mas em especial os trios que de repente formávamos, ou a noites longas a ficarmos os quatro em ternos carinhos numa só cama. Bem dito é noites loucas de boas fodas.
No dia seguinte, saí com a Lilly e fomos dar uma volta por Palma, adoramos Maiorca e tomar um gelado numa das esplanadas, antes do spa do fim de tarde no hotel.
Impossível estar quieta na companhia da Lilly. 

Risonha, muito bem humorada, onde ela está não dá para se estar sisudo ou sem, no mínimo, um sorriso no rosto.
E aquelas maminhas saltitantes, que ela sempre sem sutiã, como eu aliás, abana nas brincadeiras e leva os homens a olhar, (que bom olharem), dizia eu aquelas maminhas que me deixam sempre com vontade de lhes fazer festas mesmo em público.
Nem demos pelo tempo passar até que o Paulo chegou junto de nós. 
Eram umas 19 horas e resolvemos fazer um petisco por ali . 
O Miguel tinha ido fazer vela,viria tarde, com uns amigos espanhóis lá das suas guerrinhas e nós andavámos os três
Foi um deleite de ostras– o que adoro – terminando com uns lagostins e camarão. 
Tudo regado com um delicioso vinho bem gelado, o que acabou por nos fazer soltar ainda mais a língua e… os sentidos que, a dada altura, já estavam bastante despertos.Notava-se o tesão a subir entre nós com as cars avermelhadas, a conversas apimentadas e as nossas perna(mulheres) a esfregarem-se como que tentando evitar que o mel fosse em demasia a escorrer.
De havaianas sainhas curtas e tops o Paulo deliciado à mesa entre as duas causva uma certa insegurança aqueles maridos que em férias passavam com as suas mais queridas ao lado, sem glamour e mais interessadas provavelmente a denominarem-nos de putas em férias com o director.
Mentes perversas. Adiante.
O ambiente ficou ainda mais quente quando a Carla e o Paulo começaram a trocar alguns beijos mais longos e sensuais, sem se preocuparem com a minha presença. Isto já fora do restaurante e num bar de uns conhecidos deles.
Até que comecei a notar o olhar provocador de Paulo, de cada vez que  beijava Lilly. Era normal o sinal , como quem diz, dá-me a tua lingua a seguir.

Parecia querer guardar cada reacção minha e não contive um suspiro quando via a mão masculina desaparecer debaixo da mesa. 
O movimento do seu braço denunciava as carícias a que submetia Lilly.. 
E tive vontade de sentir também os seus dedos e acho que não consegui esconder o meu pensamento, a julgar pelo sorriso que se lhe desenhou nos lábios.
Provoquei-o passando a língua nos lábios, antes de aproximar o copo do coktail para beber um pouco da bebida.

Sentia-me tesuda, provocante e demasiado quente já par ou sentir que ou iria ter retorno ou então puxando a toalha da mesa, levar a mão à minha cona e esfregar lentamente até ter orgasmo.
Nesse momento, Lilly apercebeu-se e sorriu também, aproximando-se de mim e beijando-me os labios, ao de leve, sem lingua.
Senti uma mão pousar na minha coxa,  . Não descortinei de imediato a qual deles pertenciam aqueles dedos que me apertavam a carne, mas ávida de prazer, já pouco me importava.
Senti que subiam e abri mais as pernas, que dedos deliciosos. Quase a vir-me 
Soube logo a seguir que eram dela, quando vi as mãos soltas de Paulo. 
O vinho do jantar estava a ajudar e a deixar-me levar pela sedução deles ali, eles que adoravam viver uma vida plena de tudo.
O tesão foi enorme e entreabri os olhos que tinha fechado e a outra mão dela estava no caralho de Paulo.
Não podiamos manter mais por ali

Quem conhece Palma e na Marrginal há uma enorme bearhouse.
Fomos para lá para ver se a cerveja ou o passeio entretanto nos arrefecia.
Nada disso. agarrados com um casal só, Paulo no meio com o seu 1.80 e nós apertadinhas com as cabeças nos seus sovacos mais tesão criávamos com o cheiro a macho que ele tinha.
Virámos para a praia.
Estava deserta, e fomos afastando e sentámos na frente de uma casa de banheiros ali sem luz. Era um banco  de madeira onde os banhistas se sentam para limpar a areia dos pés.
Paulo sentou-se e de imediato, Lilly baixou o calção dele e delicadamente com a boca colocou-lhe um preservativo.
Era o fim .Era para mim.
Depois de o mamar por um minuto se tanto agarou-me de frente, colou os labios nos meus e foi-me levando de recuo até sentir os joelhos dele na parte de trás das minhas pernas. As mãos deles na minha cintura. Afastei as pernas . Lilly de joelhos desceu o meu fio e tirou-o. Desci as ancas. Senti vinte centimentos pela cona acima alargando-a com uma grossura avassaladora.
Lilly de joelhos lambia-me a cona , as mãos dele nas minhas mamas e eu subia e descia.
Senti as mãos na cintura a apertar e Paulo fazia-me descer e subir. Escorria leites e estava a atingir para aí o meu 4 º orgasmo. Paulo urrava de prazer e senti que os jactos de esporra ficavam apertados na camisinha.
Que foda.
Lilly sorria e de joelhos retirou o preservativo do Paulo convidando-me a com ela saborar-mos o liquido emergente do retirar da camisa.
Ao sentir os nossos lábios o bacanarte que ainda estava bem em pé, endureceu e Lilly sentou-se nele, deliciosamnete de frente para Paulo tendo eu de joelhos e atrás dela lambido aquele cuzinho e os tomates do Paulo o que lhe deu um enorme impulso para que num ápice começassem a aumentar o ritmo e com gritinhos sensuais  se virem, desencavando  na altura para me darem na minha boca os seus liquidos de amor..

Um beijo a três selou a brincadeira.
Um banho todos nus com água pelos 24 º e o calor da noite mediterrânica foi um bálsamo final.
Caminhamos pela praia secando ,
Ao longe, não muito o veleiro onde vinha Miguel entrava na marina.
Eu já imaginava a foda que seria com o meu amor a contar-lhe a miinha tarde e sentada em cima dele a sentir os meus liquidos lubrificarem o seu pau dentro de mim.
Iria ser bom.
Depois conto 

2 comentários:

  1. Entrego-me
    No teu corpo me encontro
    No teu corpo me derreto
    Escorro pela tua pele
    Enrosco-me em teus pelos
    Faço-me tua
    Quero tuas intenções
    Sem pudor sem restrições
    Quero nós dois juntos
    Ardendo em tesão
    Consumidos por essa paixão...♥

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sinto-te ardente de tesão .... Consumo-me com nossa paixão

      Eliminar